Top

O TRÁGICO E O ANIMAL

Durante os anos de 2009 e 2010 – quando a Cia Teatro Balagan completou dez anos – demos continuidade e aprofundamos a pesquisa de dois dos cinco subtemas do projeto Do Inumano ao mais-Humano: o Inumano-Trágico – que se verticalizou na investigação do mito de Prometeu – e o Inumano-Animal – que se verticalizou na pesquisa da natureza ameríndia.

Inumano-Trágico, eixo da pesquisa para o espetáculo Prometheus Nostos – um espetáculo protótipo, aprofundou o estudo da tragédia e da mitologia grega – forma e manifestação fundadoras do teatro e da cultura ocidental – e possibilitou a retomada de aspectos da linguagem teatral e do trabalho do ator que sempre marcaram o trabalho da Balagan: a dança e o canto como matérias formadoras da cena, e a narrativa como princípio para a construção dramatúrgica.

A pesquisa se organizou em torno da montagem do espetáculo-protótipo Prometheus Nostos, que circulou, durante o processo de criação, por sete sedes de companhias e grupos teatrais da cidade de São Paulo, momento no qual, além de trocar experiências e modos de produção e criação artística, realizamos uma série de atividades de aproximação ao espectador, como o Formação do Olhar.

O Inumano-Animal, que se configura na pesquisa para o espetáculo Recusa, retoma uma questão presente na Cia desde o projeto Vaqueiros e que deu origem ao espetáculo Tauromaquia, em 2004. Data desse período o início dos estudos a respeito das ideias  de humanidade/animalidade, a partir do qual pudemos intuir novos paradigmas para uma abordagem cênica como, por exemplo, a “qualidade perspectiva” que funda o pensamento ameríndio; na mitologia ameríndia pudemos reconhecer um lugar onde as diferenças entre pontos de vistas são, ao mesmo tempo, anuladas e exacerbadas, um estado do ser onde os corpos e os nomes, as almas e as ações, o eu e o outro, interpenetram-se.

Como parte das investigações para a criação do espetáculo Recusa, realizamos encontros e Estudos Cênicos abertos ao público e uma viagem à Aldeia Gapgir, linha 14, em Rondônia, para um período de convívio e de troca artística com povo indígena Paiter Suruí.

O projeto O Trágico e o Animal verticalizou esses dois temas no desenvolvimento de duas encenações: Prometheus Nostos – um espetáculo protótipo e RecusaPara nós, dar continuidade a essas investigações é a possibilidade de manter nossas características e aspirações artísticas, voltadas para uma prática cotidiana que não se limita a um resultado espetacular – ainda que a ele chegue, numa certa etapa do trabalho. O espetáculo é, por nós, entendido como uma nova fonte de pesquisas e estudos.